quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Produtor do Mamonas Assassinas critica versão de música de Alok

Rick Bonadio não gostou do remix de ‘Pelados em Santos’: ‘Vamos arrumar isso? Conceito é uma coisa, falta de musicalidade é outra’

Resultado de imagem para mamonas assassínas
Rick Bonadio, o produtor da música Pelados em Santos, do Mamonas Assassinas, criticou uma versão da canção lançada recentemente pelo DJ brasileiro Alok. “O segundo acorde é um B menor e você colocou maior mesmo mantendo as melodias de voz e metais. Vamos arrumar isso? Conceito é uma coisa, falta de musicalidade é outra. Tá péssimo”, escreveu o produtor em seu perfil no Twitter.
Bonadio acabou recebendo uma resposta do duo Sevenn, que participou do remix. “Na verdade não está incorreto, só não é do mesmo jeito da versão original. Aprenda a criticar antes de falar”, diz a resposta. O produtor não deixou por menos e rebateu: “Não, não está. Se você tivesse mudado o conceito do arranjo e a harmonia faria sentido. Mas há apenas um acorde errado. E aliás, o remix é horrível. Mamonas é uma lenda e você desrespeitou sua memória. Espero que você aprenda para o futuro”.Em sua página no Facebook, Bonadio continuou as críticas. “Seja honesto e não engane seu público. A nota está errada e você não pode ser assim simplista. O remix além de ter erro, sim, no B, cortou e desfigurou a obra que é um legado para a música brasileira. Os Mamonas não podem ser conhecidos pelas novas gerações pela letra que você deixou no remix. Não se pode cortar a letra de uma obra dessa importância. Faltou respeito e maturidade a você”, escreveu.

Da Redação com Veja

PMs voltam à viela onde jovem foi morto antes de comprar biscoitos

Reconstituição contou com duas versões sobre caso ocorrido em Santo André

PMs participaram da reconstituição

Cinco jovens e dois policiais militares participaram da reconstituição da morte do adolescente Luan Gabriel Nogueira de Souza, 14 anos, atingido por um tiro na nuca, em 5 de novembro, no bairro João Ramalho, em Santo André, região metropolitana de São Paulo.
Duas versões foram reconstituídas: a dos PMs, que dizem que um dos adolescentes estava armado; e a dos garotos, que afirmam que os policiais atiraram porque eles teriam se assustado e corrido após a chegada repentina dos PMs.
Um adolescente de 15 anos que participou da reconstituição afirma que Luan passou pela viela para ir ao mercado, como todos os moradores da região fazem. Nesse momento, dois PMs chegaram e um dos jovens teria avisado aos demais. Os adolescentes começaram correr e Luan, que teria ficado para trás, foi baleado.
“Ele não tinha nada a ver e ninguém atirou. O policial chegou atirando e acertou o Luan que tinha ficado para trás”.
O irmão de Luan acompanhou a reconstituição
O irmão de Luan acompanhou a reconstituição Kaique Dalapola/R7 - 14.12.2017
A encenação do crime, que estava prevista para começar 10h, iniciou às 12h com o cabo Alécio José de Souza, responsável por três disparos — sendo que um deles teria acertado Luan — seguido pelo cabo Adilson Antônio Senna de Oliveira, que o acompanhava na ocorrência. Os dois PMs estavam com o rosto tampado e o cabo Alécio usava um colete à prova de balas.
Em seguida, às 13h, foi realizada a versão dos jovens. Os adolescentes não têm a identidade preservada e participaram da encenação por cerca de cinco minutos cada.
Peritos ainda foram à uma residência que fica na viela para ouvir a moradora que também testemunhou o fato.
De acordo com o advogado Ariel de Castro Alves, coordenador da Comissão da Infância e Juventude do Condepe-SP, a reconstituição “vai ajudar a esclarecer o crime, já que os jovens falam que o policial chegou atirando”.
Publicidade
Fechar anúncio
A advogada Flávia Artilheiro, que defende os PMs, disse que “nesse momento não pretende se adiantar sobre a interpretação da defesa sobre a prova”, mas disse acreditar que a reconstituição vai esclarecer o caso.
A mãe de Luan, Maria Medina Costa Ribeiro, 43, afirma que espera apenas que a justiça seja feita. Ela se emociona ao dizer que nesta sexta-feira (15), vai à escola onde o filho estudava para representá-lo na formatura de 8ª série.
O caso
O estudante Luan foi morto com um tiro na nuca no início da tarde do dia 5 de novembro deste ano. Segundo a mãe, o menino havia saído de casa para comprar biscoitos.
Durante o velório, irmão chorou ao lado do caixão
Durante o velório, irmão chorou ao lado do caixão Edu Garcia/R7
Moradores do bairro João Ramalho, onde o crime aconteceu, afirmam que a polícia chegou na região e os meninos começaram a correr. A PM atirou e acertou o adolescente.
Já a assessoria de imprensa da PM diz que foi acionada para uma ocorrência na qual três homens estavam desmontando uma motocicleta na região.
Ainda de acordo com a versão da PM, quando os policiais chegarem no local foram recebidos a tiros pelos suspeitos. Os PM teriam revidado, acertando o adolescente. Na ocasião, outros dois jovens ainda foram detidos

Da Redação com R7

MPRJ cobra apuração de responsabilidade por atos violentos em Flamengo x Independiente


Torcedores do Flamengo vandalizaram no Maracanã e arredores do estádio 
O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) está cobrando uma apuração sobre os atos de violência cometidos na partida entre Flamengo e Independiente, na final da Copa Sul-Americana, no Maracanã, e na véspera da decisão. O Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor (GAEDEST/MPRJ) enviou DVDs com imagens das práticas ocorridas dentro do estádio e nos arredores, além dos problemas em um hotel na Barra da Tijuca, onde o time argentino estava concentrado.
“É necessária uma investigação profunda acerca dos fatos ocorridos para identificar e punir os criminosos que se travestem de torcedores para espalhar o caos, o medo e a desordem no seio social, de modo a restabelecer a paz pela qual nossa sociedade tanto anseia”, destacam os documentos dirigidos às delegacias policiais pelo MPRJ, requisitando a instauração de inquéritos policiais.

Torcedores do Flamengo vandalizaram no Maracanã e arredores do estádio 
Além da promotoria de defesa do consumidor, as gravações nas imediações e dependências do Maracanã foram enviadas à 18ª Delegacia de Polícia do Maracanã, à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e à Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). Já as imagens feitas no Hotel Hilton foram enviadas à 16ª DP, da Barra da Tijuca.
Flamengo vai arcar com prejuízos
O Flamengo aguarda o levantamento do prejuízo causado por torcedores nos setores e corredores do estádio na noite de quarta-feira. Houve quebra de cadeiras, roletas, portões, grades e vidros. O clube ainda vai se posicionar pelas cenas de violência no interior do estádio. A última partida da equipe no ano teve renda superior a R$ 6 milhões.
A barbárie no Maracanã começou muito antes de a bola rolar. Torcedores argentinos e brasileiros entraram em confronto nos arredores do estádio, deixando pessoas feridas. Muitos dos hermanos estavam sem ingresso e foram repelidos com bombas de efeito moral e spray de pimenta.
As entradas D, E e F, destinadas à torcida do Flamengo, foram invadidas. No meio do tumulto, pessoas foram pisoteadas.
Depois da partida, o cenário de guerra se repetiu. Diversos focos de tumulto espalhados pelo entorno do estádio foram controlados por agentes de segurança, que usaram bombas de efeito moral.
O Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos registrou 13 ocorrências na final da Sul-Americana, todas contra integrantes de torcidas organizadas.

Da Redação com Extra

Tabelião investigado por esquema que 'ressuscita' donos de imóveis é preso

Golpe transfere propriedade de falecidos para terceiros. Preso tentou subornar delegado com R$ 40 mil

Rio - Policiais da 58ª DP (Posse) prenderam em flagrante, nesta quinta-feira, o tabelião Casemiro Silva Netto, 73 anos, por corrupção ativa no Centro do Rio. Segundo a polícia, Casemiro, responsável pelo 10º Ofício de Notas de Nova Iguaçu, é investigado na Operação Lázaro — que apontou esquema para 'ressuscitar' donos de imóveis já mortos e transferir a propriedade para terceiros — e ofereceu R$ 40 mil ao delegado titular da unidade, Adriano Marcelo França, para não ser preso. 
 
De acordo com França, Casemiro também insinuava oferecer vantagens indevidas ao chefe do Grupo de Investigação Complementar e ao delegado assistente da 52ª DP, devido às diversas ações de busca e apreensão no cartório e em sua residência. "Em uma operação no dia 6, Casemiro se mostrou apreensivo com o recolhimento de livros com indícios de fraudes. 'Vamos resolver esse problema', 'me ajuda que eu ajudo vocês' e 'vamos ser amigos', foram algumas das frases usadas por ele. Marcamos um 'encontro' em um escritório de advocacia no Centro do Rio para a 'entrega' do dinheiro e toda a ação foi filmada e acompanhada pelo Ministério Público", explicou o delegado.
Os agentes registraram o momento em que o tabelião entregou R$ 15 mil em dinheiro a França, como parte do valor oferecido na operação, e foi preso no local. Casemiro foi encaminhado à 5ª DP (Mem de Sá) e indiciado por corrupção ativa. Se condenado, ele pode pegar até 12 anos de prisão.
Pente-fino em sete alvos
A ação do dia 6 contou com 23 equipes do Departamento Geral de Polícia da Baixada. Foram sete alvos situados nos bairros de Nova Iguaçu, Flamengo, Laranjeiras e Barra da Tijuca. Também foram realizadas buscas nos cartórios do 10º Ofício de Notas de Nova Iguaçu e o 2º Ofício de Registros de Imóveis de Nova Iguaçu. As investigações não descartam o possível envolvimento de outros cartórios nessa organização criminosa.
 
Durante a operação, os agentes apreenderam cinco  livros no 10º Ofício; dois livros no 2º Registro de Imóveis; vários celulares;  maço de papéis timbrado do 10º Ofício na casa de um dos alvos;  um revólver calibre 38 na casa da mãe do tabelião substituto; vasto material de Escrituras e Cartorários que serão analisados;  cerca de R$ 7 mil, em espécie, apreendidos na casa de um dos alvos, que também é tabelião substituto.
As investigações tiveram início em fevereiro deste ano a partir da denúncia de uma família que teve seu terreno esbulhado por um integrante dessa organização criminosa. O terreno  fica situado às margens da Rodovia Presidente Dutra, e está avaliado em cerca de R$ 7 milhões

Da Redação com O Dia

Areia de Baraúnas, no Sertão da Paraíba, tem quinto menor PIB do Brasil, diz IBGE

Paraíba abriga 10 das 30 cidades do Nordeste com menor Produto Interno Bruto em 2015

Imagem relacionada

A quinta cidade do país com o menor Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 está na Paraíba, segundo resultado divulgado nesta quinta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Areia de Baraúnas, no Sertão do estado, produziu R$ 15.162.000, representando 0,01% de participação no PIB das Grandes Regiões.

Os municípios com os menores Produtos Internos Brutos do Brasil são MIguel Leão no Piauí (R$ 11,439 milhões), Santo Antônio dos Milagres também no Piauí, com R$ 12,012 milhões, Viçosa no Rio Grande Norte (R$ 14,837 milhões), São Félix do Tocantins, no Tocantins, com R$ 14,973 milhões e Areia de Baraúnas.
A Paraíba ainda abriga 10 das 30 cidades com os menores PIB do Nordeste em 2015, conforme o IBGE. Juntos, os 10 municípios do estado na lista, participam de 0,33% do Produto Interno Bruto na Grande Região da Paraíba. Confira lista dos municípios com os menores PIB da PB em relação ao Nordeste.
10 cidades da Paraíba com o menor PIB em relação ao Nordeste

Município Posição PIB (x R$ 1.000)
Areia de Baraúnas 15.162
Zabelê 16.224
Parari 16.546
Coxixola 16.587
São José do Brejo do Cruz 14º 17.175
Quixaba 16º 18.108
Riacho de Santo Antônio 19º 19.091
São José do Bonfim 27º 20.179
Amparo 28º 20.246

































    

Sucessão estadual: Gervásio prevê debate 'fácil' para Azevêdo se Cartaxo for escolhido o candidato das oposições na Paraíba

Sucessão estadual: Gervásio prevê debate 'fácil' para Azevêdo se Cartaxo for escolhido o candidato das oposições na Paraíba
A largada para a camapanha eleitoral de 2018 ainda não foi dada, mas o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Gervásio Maia (PSB), já faz prognósticos de quem dominará o debate no âmbito estadual.
Diante do cenário atual, onde o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB) e o secretário de Estado de Recursos Hídricos, João Azevêdo, aparecem como possíveis candidatos, Gervásio vê pouca resistência do gestor da Capital, assim como do tucano, diante do trabalho desenvolvido por João Azevêdo na Paraíba. "O que vai se discutir no curto período que teremos daqui pra frente são projetos. Se o prefeito da Capital for candidato, o debate vai ser maravilhoso porque não fez nada", disse o chefe do Poder Legislativo paraibano sobre Cartaxo.
Gervásio disse que a administração do atual prefeito de João Pessoa não realizou obras básicas para a população pessoense. "Está pensando que ciclovia na [Avenida] Beira Rio, onde devem passar uma ou duas bicicletas por dia resolve os problemas das pessoas que estão sem calçamento, sem saneamento nos seus bairros?", questionou.

Da Redação com PB Agora

Passa bem a promotora de Justiça Ismânia Nascimento que capotou carro na BR-230


A promotora de Justiça Ismânia do Nascimento Rodrigues Pessoa da Nóbrega sofreu um acidente de carro na tarde desta quinta-feira (14) no quilômetro 74 da BR-230, sentido João Pessoa – Campina Grande.
A Polícia Rodoviária Federal informou que a promotora estava só no veículo e disse que estava em seu veículo quando tentou desviar de uma moto que atravessava a rodovia, perdeu o controle e acabou capotando.
Ismânia foi socorrida para o Hospital de Trauma de João Pessoa por uma ambulância do Samu. De acordo com a assessoria de imprensa da unidade, ela recebeu os primeiros atendimentos e passa bem.

Da Redação com Polêmica